Notícias

Agronegócio tem que estar no centro dos debates da eleição presidencial de 2014

A agropecuária cresceu não apenas no que se refere à sua participação na economia nacional como, também, politicamente. Foi o que a avaliou a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, em entrevista coletiva à imprensa na última quarta-feira (11/12).

Para a senadora, foi a boa performance do agro, com seu êxito continuado ao longo dos últimos anos, que “ajudou a exorcizar alguns demônios” e contribuiu de forma decisiva para melhorar a imagem do setor. Prova disso, destacou, é que, antes, seus líderes viviam correndo atrás dos candidatos a presidente da República e, hoje, são os candidatos que estão procurando estes líderes. Segundo a senadora, a diretoria da CNA é que vai decidir, no tempo certo, a forma como as demandas do campo serão encaminhadas aos presidenciáveis. Uma das ideias é entregar uma radiografia completa e detalhada do setor nas mãos de cada um, como foi feito em 2010, para que o agro possa ser amplamente discutido.

A opinião é compartilhada pela Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), que em recente Encontro de Produtores Rurais do Estado do Pará, divulgou moção de apoio a uma eventual candidatura do líder do Democratas na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), à Presidência da República, em 2104. Segundo o documento, assinado pelo presidente Carlos Fernandes Xavier, o posicionamento da federação se deve a uma preocupação com o agronegócio brasileiro refletido pelas posições de alguns dos pré-candidatos ao maior posto do País. De acordo com a nota da Faepa, Ronaldo Caiado é um homem público de reputação ilibada e profundo conhecedor dos assuntos do campo. “Ronaldo Caiado representa com dignidade o agronegócio no Congresso Nacional. Assim, apresentamos o nome dessa liderança ruralista nacional para ser colocado entre os postulantes à Presidência da República neste momento em que o Brasil necessita, acima de tudo de serenidade e equilíbrio, e ter cidadãos com visão de Estado e compromisso com a nacionalidade e no comando de seus destinos”, expressou a moção. Conforme o documento da Faepa, o cenário pré-eleitoral do momento não apresenta novidades. “Muito pelo contrário, sinaliza com posições com o que há de mais retrógrado e preconceituoso na política brasileira”. Por isso, a opção de apoiar um possível candidato que sempre defendeu os interesses da agricultura no parlamento.

A entidade ainda reforça que o Brasil é uma das maiores potências mundiais no agronegócio, podendo se tornar o maior País agrícola, em 10 anos, mesmo enfrentando condições desiguais no mercado global. No documento a federação paraense também destaca também que o setor foi o responsável por minimizar os efeitos da crise financeira internacional que atingiu o mundo. “Somos a principal força motriz da economia nacional, pois de cada R$ 3 produzidos no país, um advém do agronegócio, ele próprio responsável por cerca de 30% do Produto Interno Bruto, 42% das exportações e 37% dos empregos diretos e indiretos e um saldo comercial maior do que o total do País e, ainda, que a dívida brasileira conseguiu ser paga graças ao superávit produzido, na balança comercial, pelo agronegócio”, atestou a Faepa. Na moção a entidade enfatiza que os brasileiros precisam do agronegócio não apenas pela segurança alimentar, mas pela importância na economia do País com geração de emprego e renda. “A aproximação da sucessão presidencial e a renovação dos Parlamentos e dos Executivos estaduais torna imperiosa a assunção de uma posição de vanguarda no quadro político, pois, com o crescente avanço dos ideólogos do ambientalismo xiita que não se sustenta em bases científicas e das correntes sectárias que almejam implantar no Brasil um regime autoritário nos moldes do socialismo que existe em algumas repúblicas latino-americanas, manifesta-se inadiável que apresentemos à sociedade pátria candidaturas compromissadas com a Democracia e o Desenvolvimento Sustentável”, finalizou o presidente Carlos Xavier.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sistema FAEPA